top of page
  • leobalsalobre

Donato protocola moção de repúdio contra Lula por declarações contra Israel


O deputado federal Messias Donato protocolou, nesta segunda-feira (04/12), na Comissão de Direitos Humanos da Câmara, da qual é membro, moção de repúdio ao presidente Lula por recente declaração de que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu seria "uma pessoa extremista, de extrema direita, e com sensibilidade baixa para os problemas do povo palestino".


"Ao caracterizá-lo de forma tão pejorativa, Lula não apenas desconsiderou a complexidade das dinâmicas políticas envolvidas, mas também contribuiu para a disseminação de uma visão superficial e polarizada. Tais generalizações não apenas comprometem a precisão das análises, mas também podem perpetuar estereótipos que prejudicam a compreensão global dos desafios enfrentados pela região", pontua o parlamentar.


Segundo ele, "o Oriente Médio é marcado por uma história complexa e multifacetada, onde a paz e a estabilidade exigem abordagens equilibradas e sensíveis. Criticar um líder estrangeiro de forma tão contundente não apenas compromete a reputação diplomática, mas também pode dificultar o estabelecimento de canais eficazes de comunicação".


Messias Donato entende que as ações de Israel são "uma resposta legítima a uma série de ações provocativas e ameaças à segurança do Estado, tendo em vista que foi o Hamas que iniciou o conflito, com explosões, sequestros e assassinatos. Em um contexto de constante instabilidade na região, Israel enfrenta desafios significativos para garantir a segurança de seus cidadãos e manter a estabilidade na área".


CONFIRA A MOÇÃO DE REPÚDIO NA ÍNTEGRA:


"Por meio desta moção manifesto minha veemente reprovação à declaração proferida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que descreveu o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu como 'uma pessoa extremista, de extrema direita, e com sensibilidade baixa para os problemas do povo palestino'.


Ao caracterizá-lo de forma tão pejorativa, Lula não apenas desconsiderou a complexidade das dinâmicas políticas envolvidas, mas também contribuiu para a disseminação de uma visão superficial e polarizada. Tais generalizações não apenas comprometem a precisão das análises, mas também podem perpetuar estereótipos que prejudicam a compreensão global dos desafios enfrentados pela região.


O Oriente Médio é marcado por uma história complexa e multifacetada, onde a paz e a estabilidade exigem abordagens equilibradas e sensíveis. Criticar um líder estrangeiro de forma tão contundente não apenas compromete a reputação diplomática, mas também pode dificultar o estabelecimento de canais eficazes de comunicação.


A recente decisão de Israel de se defender contra o Hamas pode ser compreendida como uma resposta legítima a uma série de ações provocativas e ameaças à segurança do Estado, tendo em vista que foi o Hamas que iniciou o conflito, com explosões, sequestros e assassinatos. Em um contexto de constante instabilidade na região, Israel enfrenta desafios significativos para garantir a segurança de seus cidadãos e manter a estabilidade na área.


É crucial destacar que os palestinos, como grupo étnico, e os membros do Hamas, como uma organização terrorista, não devem ser tratados como sinônimos. Enquanto ambos têm uma conexão com a região da Palestina, suas identidades e motivações são distintas.


Os palestinos são um povo com uma rica história cultural, diversidade étnica, religiosa e cultural, incluindo cristãos, muçulmanos e outras comunidades.


Por outro lado, o Hamas é uma organização política palestina, fundada em 1987, que tem se envolvido em atividades políticas e militares consideradas terroristas por muitos países e muitas organizações internacionais.


Suas ações, incluindo ataques a civis e infraestrutura, têm gerado preocupações e condenações de várias partes do mundo. Embora o grupo tenha apoio de uma parte da população palestina, especialmente em Gaza, suas ações e abordagens são controversas e não representam a totalidade da identidade e opiniões dos palestinos.


A resposta militar de Israel, embora impactante, é uma tentativa de conter as ameaças a sua segurança e proteger seus cidadãos. O direito soberano de um país de se defender contra ataques é universalmente reconhecido, e a comunidade internacional deve levar em consideração a necessidade de Israel em agir diante de ameaças iminentes.


Portanto, expressamos nossa firme rejeição às palavras proferidas pelo presidente Lula da Silva e instamos um debate mais construtivo e respeitoso sobre as questões que envolvem as relações internacionais, em especial no que diz respeito ao conflito no Oriente Médio."

11 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page